Como configurar o DHCP em Servidores Linux

O DHCP, como já falamos em outro post, é um protocolo de serviços TCP/IP que permite que os terminais de determinada rede sejam configurados dinamicamente, concedendo-lhes um endereço IP, uma máscara de sub-rede, um gateway padrão, o número de pelo menos um servidor DNS, o número de pelo menos um servido WINS e o sufixo de pesquisa DNS.

No DHCP, um cliente envia um pacote UDP via broadcast requisitando DHCP pela porta 67. O servidor DHCP, por sua vez, captura o pacote e, se este atender aos critérios pré-definidos para a rede, retorna através da porta 68 um pacote com as configurações DHCP que o host necessita.

É possível configurar um servidor DHCP tanto em servidores Windows como em servidores Linux. Hoje, veremos a configuração correta dentro do servidor Linux.

Configurando o DHCP num servidor Linux (Debian)

Primeiramente, é necessário entender que um servidor Linux não possui o modo gráfico. Então, toda a configuração é feita por linhas de comando, o que para algumas pessoas acaba fazendo com que esse método não seja o mais utilizado. Porém, a configuração em servidores Linux está muito menos propensa a erros, fazendo com que a confiabilidade da rede seja relativamente boa.

Em resumo, podemos dizer que a configuração de um servidor DHCP no Linux é muito mais apropriada. Mas, caso queira saber como é a configuração em servidores Windows, aguarde mais algumas postagens.

Lembre-se! A execução dos comandos abaixo deve ser feita com a permissão root!

Tomaremos como exemplo, a configuração DHCP em distribuições Debian, mas o conceito geral não tem muitas variações. Para começarmos a configuração, é necessário instalar o pacote do serviço DHCP. Essa instalação deve ser feita com o comando:

# apt-get install dhcp3-server

Após a instalação, é possível ativar, desativar, reiniciar ou verificar o status do serviço DHCP:

Para ativar:

# /etc/init.d/dhcp3-server start

Para desativar:

# /etc/init.d/dhcp3-server stop

Para reiniciar:

# /etc/init.d/dhcp3-server restart

Para verificar o status atual:

# /etc/init.d/dhcp3-server status

Agora, acesse o diretório abaixo:

# cd /etc/dhcp3

Por segurança, crie uma cópia do arquivo de configuração:

# mv dhcpd.conf dhcpd.conf_bkp

Dentro do arquivo, ajuste as configurações abaixo:

# vim /etc/default/dhcp3-server

Dica: no VIM, salve o arquivo utilizando o comando [dois pontos]x. No VI, utilize o comando :x!

banner700x180

Procure pela linha INTERFACE e insira a sua interface de rede (eth0, eth1, etc…):

INTERFACES="eth0"

Inicie o serviço DHCP:

# /etc/init.d/dhcp3-server start

No arquivo de configuração, faça os ajustes conforme fica melhor para sua rede:

ddns-update-style none;
 default-lease-time 600;
 max-lease-time 7200;
 authoritative;
 
 subnet 192.168.100.0 netmask 255.255.255.0 {
    range 192.168.100.10 192.168.100.200;
    option routers 192.168.100.1;
    option domain-name-servers 200.235.120.200,200.235.120.220;
    option broadcast-address 192.168.100.255;
 }

Vejamos, agora, o que cada linha quer dizer:

  • default-lease-time 600;

Nessa linha, informe o tempo para renovação do IP. Isso significa que esse tempo é o intervalo de verificação do servidor para conferir se o IP está em uso e, caso não esteja, seja repassado para outro computador. O valor deve ser colocado em segundos. Por padrão, o tempo é 600 segundos (10 minutos).

  • max-lease-time 7200; 

Tempo máximo para cada máquina utilizar o IP. Por padrão, o valor é 7200 segundos (2 horas).

  • authoritative; 

Se um cliente requisitar um endereço que o servidor não conheça, ou seja, o endereço é incorreto para aquele segmento, o servidor não enviará um DHCPNAK, que solicita ao cliente para parar de usar aquele endereço.

  • subnet 192.168.100.0 netmask 255.255.255.0 { 

Defina a sua rede e a máscara e se ela será de classe A, B ou C, conforme sua preferência.

  • range 192.168.100.10 192.168.100.200; 

Define o range, ou seja, qual o intervalo de endereços IP que os clientes podem usar. No exemplo acima, os clientes podem ter IPs configurados entre o 192.168.100.10 e o 192.168.100.200 (190 clientes).

  • option routers 192.168.100.1; 

Este é o gateway padrão.

  • option domain-name-servers 200.235.120.200,200.235.120.220; 

Coloque os números dos IPs dos servidores DNS que atendem sua rede. Você pode verificá-los no arquivo /etc/resolv.conf, no servidor que estiver com o serviço DNS configurado.

  • option broadcast-address 192.168.100.255; } 

Aqui, você está definindo o endereço do broadcast.

Esperamos que tenham tirado suas dúvidas. Caso ainda tenha alguma, não se esqueça de deixar nos comentários. Nos vemos na próxima!

Créditos

Texto escrito por Esdras Nunes, com consultas nas páginas:

vivaolinux.com.br/etc/dhcpdconf/

vivaolinux.com.br/dica/Configurando-servidor-DHCP-no-Debian

pt.wikipedia.org/wiki/Dynamic_Host_Configuration_Protocol

Esse conteúdo é parte da série “Tux Sabes”. Todos os direitos reservados a Rede LAN Soluções em Informática. Proibida a reprodução parcial ou total sem a prévia autorização.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s