Frame Relay

Agora, iremos nos aprofundar nos estudos relacionados aos protocolos. Saiba o que é o Frame Relay…

O Frame Relay é uma tecnologia de comunicação de dados de alta velocidade que é usada em diversas redes ao redor do mundo para interligar aplicações do tipo LAN, SNA, Internet e Voz.

Basicamente, pode-se dizer que a tecnologia Frame Relay fornece um meio para enviar informações através de uma rede de dados, dividindo essas informações em quadros ou pacotes. Cada quadro carrega um endereço que é usado pelos equipamentos da rede para determinar o seu destino.

A tecnologia Frame Relay utiliza uma forma simplificada de chaveamento de pacotes, que é adequada para computadores, estações de trabalho e servidores de alta performance que operam com protocolos inteligentes, tais como SNA e TCP/IP. Isto permite que uma grande variedade de aplicações utilize essa tecnologia, aproveitando-se de sua confiabilidade e eficiência no uso de banda.

Histórico

No final da década de 80 e início da década de 90, vários fatores combinados demandaram à transmissão de dados com velocidades mais altas:

  • A migração das interfaces de texto para interfaces gráficas;
  • O aumento do tráfego do tipo rajada (bursty) nas aplicações de dados;
  • O aumento da capacidade de processamento dos equipamentos de usuário (estações de trabalho, terminais Unix, entre outros);
  • A popularização das redes locais e das aplicações cliente-servidor;
  • A disponibilidade de redes digitais de transmissão.

Nessa época, o Bell Labs (EUA) desenvolvia a tecnologia ISDN e o protocolo Frame Relay era parte desse conjunto. Entretanto, devido às suas características, o protocolo foi desmembrado e evoluiu como um serviço de rede independente, com padrões e recomendações elaborados por órgãos internacionais de Telecomunicações.

Rede Frame Relay

Uma rede Frame Relay é composta por equipamentos de usuários (como PCs, estações de trabalho, servidores, computadores de grande porte) e suas respectivas aplicações; equipamentos de acesso com interface Frame Relay (como bridges, roteadores de acesso, dispositivos de acesso Frame Relay – FRAD) ; e equipamentos de rede (como switches, roteadores de rede).

A conversão dos dados para o protocolo Frame Relay é feita pelos equipamentos de acesso. Os quadros gerados são enviados aos equipamentos de rede, cuja função é basicamente transportar estes até o seu destino, usando os procedimentos de chaveamento ou roteamento próprios do protocolo.

A rede Frame Relay é sempre representada por uma nuvem, já que ela não é uma simples conexão física entre 2 pontos distintos. A conexão entre esses pontos é feita através de um circuito virtual configurado com uma determinada banda. A alocação de banda física na rede é feita pacote a pacote, quando da transmissão dos dados.

Prós e contras

A tecnologia Frame Relay oferece vários benefícios, quando comparada com outras tecnologias:

  • Custo de propriedade reduzido (equipamentos mais simples);
  • Padrões estáveis e largamente utilizados, o que possibilita a implementação de plataformas abertas e plug-and-play;
  • Overhead reduzido, combinado com alta confiabilidade;
  • Redes escaláveis, flexíveis e com procedimentos de recuperação bem definidos;
  • Interoperabilidade com outros protocolos e aplicações, tais como ATM e TCP/IP.

Entretanto, para as vantagens do Frame Relay serem efetivas, 2 requisitos devem ser atendidos:

  • Os equipamentos de usuário devem utilizar aplicações com protocolos inteligentes, que controle o fluxo das informações enviadas e recebidas;
  • A rede de transporte deve ser virtualmente a prova de falhas.

Considerações Finais

A tecnologia Frame Relay é aplicável em inúmeros casos principalmente para compor as redes WAN dos usuários finais, através dos recursos das redes multisserviços implantadas pelos prestadores de serviços existentes no mercado.

Entretanto, a migração de redes convencionais, baseadas em circuitos dedicados para redes Frame Relay torna-se um desafio, visto que os requisitos de confiabilidade, desempenho e performance do usuário final devem ser atendidos na nova tecnologia, e os prestadores de serviço buscam maximizar os ganhos obtidos com a implantação dessas redes estatísticas.

O usuário final deve fazer um planejamento detalhado para compor a nova rede WAN de forma a continuar atendendo os seus próprios requisitos, e fazer um plano de migração que indique passo a passo as atividades a serem executadas, os recursos necessários e os resultados esperados.

Fontes: docwiki.cisco.com
pt.wikipedia.org

Mais detalhes em: www.teleco.com.br | parte 1 | parte 2 | parte 3 | parte 4 | parte 5 | parte 6 | parte 7.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s